Sociedade de Empréstimo entre pessoas: entenda como funciona

Atualizado: 2 de mar.

No mercado de crédito existem algumas fintechs com o intuito de democratizar o setor e aumentar a abrangência. Um bom exemplo disso é a sociedade de empréstimo entre pessoas.


Em regra, a sociedade de empréstimo entre pessoas é autorizada pelo Bacen para intermediar a relação entre o tomador de empréstimo e o credor.



O que é sociedade de empréstimo entre pessoas (SEP)?


A sociedade de empréstimo entre pessoas é um sistema onde uma fintech intermedia as relações entre o cliente que busca crédito e o investidor que quer disponibilizar o seu capital para empréstimo.


Esse tipo de sociedade é conhecido no mercado como peer-to-peer lending, sendo que a fintech realiza uma clássica intermediação financeira podendo cobrar tarifa por esse serviço prestado.


Como funciona a Sociedade de Empréstimo entre Pessoas SEP?


A SEP empréstimo, funciona como uma empresa intermediária que faz a ponte entre quem quer tomar um empréstimo e quem está disposto a emprestar o seu capital. Ou seja, ela intermedia o empréstimo entre pessoas.


Esse tipo de sociedade é regulamentado pelo Banco Central, e toda a operação é feita de forma online. A fintech também pode se responsabilizar pela análise e cobrança de crédito para clientes e terceiros.


Quais são as principais características da SEP?


Uma das principais características da Sociedade de Empréstimo entre Pessoas (SEP) é que os recursos são todos de terceiros, sendo que a SEP apenas fornece a infraestrutura para fazer a ligação entre o tomador e o credor.


Além disso, a exposição de um credor por SEP sociedade de empréstimo entre pessoas, deve ser de no máximo R$ 15 mil, sendo que a fintech pode também fazer a emissão de moeda eletrônica.


Um outro ponto de destaque é que os tomadores de empréstimo precisam ser selecionados com base em critérios como situação financeira, grau de endividamento, histórico de bom pagador, dentre outros.


Diferença entre SEP e SCD


Diferente da SEP, a Sociedade de Crédito Direto (SCD) tem por finalidade a realização de operações de crédito através de plataforma eletrônica, com seus próprios recursos.


Ou seja, enquanto a SEP atua como uma intermediária entre o tomador e o investidor, a SCD pode atuar emprestando dinheiro com recursos próprios por meio de uma plataforma eletrônica.


Além disso, a SCD também precisa selecionar os seus potenciais clientes com base em critérios consistentes, verificáveis e transparentes que abranjam aspectos relevantes para avaliação do risco de crédito.


Em comum, as duas sociedades podem oferecer serviços de análise de crédito para terceiros e cobrança de créditos. Fora isso, a SCD pode também fazer a distribuição de seguro relacionado às operações que ela oferecer.


Ou seja, como um SCD pode oferecer um empréstimo com recursos próprios, ela pode juntamente com isso, oferecer um seguro para o seu cliente.


Quais as vantagens desses sistemas?


Tanto a SEP quanto a SCD possuem diversas vantagens atualmente, sendo que a principal é que tudo pode ser feito por um smartphone.


Sendo assim, o cliente que tiver interesse em uma determinada linha de crédito, pode se sujeitar a análise entrando com o pedido de empréstimo, sem a necessidade de ir presencialmente até uma agência.


Além disso, toda a documentação também pode ser enviada de forma digitalizada pelo cliente, o que agiliza e desburocratiza o processo.


Como resultado, as fintechs têm um papel de democratização do crédito no país, abrangendo as classes C e D, que encontram mais dificuldades em conseguir empréstimo no setor tradicional.


A Teruel Contabilidade é uma empresa contábil com uma equipe de especialistas multidisciplinares unindo o melhor da tecnologia e gestão para o crescimento de empresas excepcionais.

Entre em contato com nosso time para saber mais!



Fonte: Suno e Equipe Teruel


#venhaparateruelcontabilidade

#suaempresaemboasmaos

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo